sábado, 29 de novembro de 2014

Corte de cabelo

Quando ficamos grávidas, muitas coisas passam por nossas cabeças, inclusive nossa aparência, como vamos ficar? vou ficar gorda? com a pele feia? essas coisas todas.

Para dar um up no visual, separei alguns cortes de cabelo para levantar sua auto estima, lembrando que procurei pesquisar cortes sem tintura, porque não é toda grávida que pode pintar o cabelo. (pergunte para seu médico) ok?

















sexta-feira, 28 de novembro de 2014

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

10 dicas para evitar acidentes doméstico com a criançada.



Nada mais natural do que uma criança que mexe em tudo, afinal explorar o ambiente à sua volta faz parte do desenvolvimento. Para que isso não vire uma tragédia, porém, é preciso que pais e responsáveis saibam que muitos dos acidentes na infância ocorrem dentro de casa e poderiam ter sido evitados com medidas simples de segurança. Segundo pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, a maioria das quedas até os 9 anos de idade, por exemplo, se deu no lar doce lar.


Informações coletadas em unidades de urgência do Sistema Único de Saúde (SUS) de 37 cidades brasileiras mostraram que, dos 10.988 atendimentos a crianças nessa faixa etária, 5.540 (50,4%) foram provocados por quedas - sendo que a maioria, 3.838 (69%), dentro da casa das vítimas.


"É muito fácil prevenir, com hábitos que parecem óbvios e simples, mas que podem salvar vidas ou evitar que crianças vivam com sequelas de um acidente", alerta a cirurgiã pediátrica Simone de Campos, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), e membro da ONG Criança Segura www.criancasegura.org.br. Cabe, portanto, ao adulto, garantir um ambiente seguro à criança, que nunca deve ficar sozinha em casa ou ser cuidada por outras crianças.


"Os pequenos aprendem com o exemplo dos pais. São eles que precisam orientar os filhos sobre precauções com a segurança dentro e fora de casa", afirma. Parecem bobos e sem importância, mas os cuidados precisam fazer parte do dia-a-dia de forma preventiva, como uma vacina. Confira as principais orientações:

1 - Instale grades ou redes de proteção nas janelas, sacadas e mezaninos.
2 - Não deixe cadeiras, camas e bancos perto de janelas, pois as crianças podem escalar e se debruçar. O mesmo vale para móveis baixos perto de estantes e armários altos.
3 - Instale portões de segurança no topo e pé das escadas. Se a escada for aberta, opte por redes ao longo dela.


4 - Cuidado com chão liso e tapetes. Não encere o piso e providencie antiderrapantes nos tapetes para evitar escorregões. Na maioria das quedas infantis atendidas nos postos do SUS, as crianças caíram do mesmo nível, ou seja, as quedas foram causadas por tropeções, pisadas em falso ou desequilíbrios.

5 - Oriente seu filho a brincar em locais seguros. Escadas, sacadas e lajes não são espaços de lazer.

6 - Crianças com menos de 6 anos não devem dormir em beliches. Se não houver outro local, instale grades de proteção nas laterais.

7 - O uso de andadores não é recomendado pela Sociedade Brasileira de Pediatria, pois pode comprometer o desenvolvimento e causar sérias quedas.

8 - Quando for trocar fralda, mantenha sempre uma mão segurando o bebê. Nunca deixe um bebê sozinho em mesas, cama e outros móveis, mesmo que seja por um instante.

9 - Proteja as tomadas com protetores específicos ¿ baratos e facilmente encontrados em home centers, supermercados e lojas de produtos infantis. Além disso, oriente seu filho a não colocar o dedo na tomada, pois ele pode frequentar outros locais que não tenham a proteção. Cuidado: as queimaduras elétricas podem ser graves, expondo a criança ao risco de morte e seqüelas.

10 - Não deixe o ferro de passar quente ao alcance da criança, mesmo que esteja desligado.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Primeiros dias de vida do bebê.


Após o nascimento do bebê podem surgir muitas dúvidas e inseguranças. Aqui, preparamos algumas dicas que ajudarão a cuidar de seu filho nesse período cheio de descobertas.

1 – Primeiros minutos de vida

O famoso primeiro chorinho não marca apenas o nascimento do bebê. Naquele instante, nascem a mãe, o pai e a família. O foco, dali por diante, desloca-se para aquele pequeno ser, que chega vermelho e todo lambuzado.

Ao nascer, o bebê é imediatamente avaliado e recebe o teste de Apgar (nota de avaliação geral) no primeiro e no quinto minuto de vida. Depois, o cordão umbilical é clampeado e em seguida, cortado. A aplicação de gotas de nitrato de prata nos olhos do recém-nascido evita infecção ocular, e é feita logo na sequência.

O exame físico completo é realizado em seguida, quando o bebê é pesado. Logo depois ele recebe a identificação em forma de pulseira com seus dados (nome completo da mãe, registro hospitalar e número de quarto), e então é apresentado aos pais, ficando alguns minutos com eles, antes de seguir para o berçário.

2 - Icterícia: comum e simples de tratar

Uma das doenças mais comuns no recém-nascido é a icterícia. Ela ocorre quando existe acúmulo no sangue de um pigmento produzido naturalmente pelo nosso organismo, chamado bilirrubina, que é metabolizado pelo fígado e eliminado através das fezes e da urina.

Frequentemente ocorre um aumento de bilirrubina entre o segundo e o terceiro dia de vida, isso porque o organismo do bebê ainda é imaturo para eliminar este pigmento. É possível detectá-la observando sua pele, que fica mais amarelada. Geralmente, a icterícia inicia-se pela face, podendo progredir pelo corpo. O branco dos olhos do bebê também pode tornar-se amarelado. Mas não se preocupe, pois a maioria das icterícias não necessita de tratamento. Quando indicado pelo médico, o bebê deverá ser mantido no hospital para o chamado banho de luz (fototerapia), que normalmente é o suficiente para a eliminação da doença.

3 – Teste do pezinho: detecção precoce

O teste do pezinho é um dos exames laboratoriais de triagem, obrigatório por lei, que detecta precocemente doenças de origem genética, metabólica e infecciosa, que geralmente só apresentam sintomas após alguns meses de vida. Também chamado de Teste Básico, ele detecta as seguintes doenças: Fenilcetonúria ou PKU, Hipotiroidismo Congênito ou TSH, Hemoblobinopatias e Fibrose Cística ou IRT.

Estas doenças são raras, porém obtendo-se o diagnóstico precoce pode-se melhorar a evolução delas. Atualmente disponibilizam-se outros dois tipos de testes mais completos: o Ampliado (com 10 doenças) e o Avançado, que detecta o maior número possível de doenças, com 46 patologias.

Por isso, como medida de prevenção e precaução, é muito importante que o seu bebê faça o Teste do Pezinho Avançado.

Os três tipos do exame são realizados na própria maternidade.

4 – A importância da amamentação

Alimentar seu bebê com o próprio leite é um dos grandes prazeres da nova mãe. Além de oferecer a seu filho o melhor alimento para os primeiros meses de vida, a mamãe que amamenta recupera seu peso original mais rapidamente.

No entanto, a amamentação nem sempre é instintiva no ser humano, e alguma vezes é preciso ser ensinada e estimulada. O conhecimento, a vontade e o desejo dos pais são fundamentais para o bom desempenho do aleitamento materno.

Quando o bebê suga a mama adequadamente, ele estimula no organismo materno uma glândula que produz e libera hormônios da produção e da saída do leite. Nos primeiros dias, o leite produzido é o colostro, rico em proteínas que protegem contra infecções. Ao longo da lactação, o leite sofrerá modificações em sua composição, adequando-se às necessidades para o crescimento do bebê.

5 - A caminho de casa: segurança no trânsito

Ao sair da maternidade, o primeiro trajeto que o bebê fará é o caminho para casa. Por isso, atenção. Este é um assunto muito sério e é importante saber tudo a respeito, já que a maioria dos acidentes ocorre em trajetos curtos e em velocidades baixas e médias.

Muita gente pensa que a melhor maneira de levar o bebê é no colo. Que engano! Além do impacto da projeção que a criança pode sofrer, ainda há o risco de esmagamento causado pelo adulto que tem a criança no seu colo.

Ao sair da maternidade (e até a criança completar um ano de idade), o correto é o transporte em cadeirinhas de segurança, tipo bebê conforto, sempre presas pelo cinto de segurança do carro e de costas para o movimento do carro.

6 – Sono do bebê

Um recém-nascido dorme em média de 20 horas por dia em seus primeiros dias de vida. Esse período se reduz lentamente com o passar dos meses, portanto, é importante que ele durma sempre em um ambiente calmo, de pouca luminosidade, silencioso e aconchegante.

Em média, os bebês têm cerca de oito períodos de sono por dia. Alguns podem durar de 2 a 4 horas, outros são sonecas de apenas alguns minutos. Já o período pré-sono, talvez acompanhado por choro, pode durar até 30 min. Deite o seu bebê quando ele estiver saciado e depois de ter arrotado.

7 - Posições de dormir

A posição de dormir do seu bebê é muito importante. A recomendação mais recente é colocá-lo de barriga para cima. Porém, este conselho pode não se aplicar a recém-nascidos prematuros. Consulte o pediatra do seu filho. Não se preocupe se o bebê está confortável em apenas uma posição no início.

Desejar que ele durma a noite toda é comum, entretanto, ele provavelmente não conseguirá ter um período de sono de oito horas até estar com alguns meses de vida.

Mantenha o ambiente do quarto sempre tranqüilo. Ele ainda não sabe dos medos dos adultos, portanto, não é necessário deixar a luz acesa. Somente ligue a luz quando for necessário.

8 – Como evitar as cólicas

Geralmente as cólicas são uma das situações mais angustiantes para os pais. Contrações irregulares e dolorosas no intestino são manifestadas por choro agudo, flexão das pernas e endurecimento da barriga, que às vezes melhora com a eliminação de gazes ou fezes. As cólicas iniciam a partir da primeira semana e podem perdurar até o 3º ou 4º mês de vida. Medidas caseiras, como massagens, aquecimento e colocar o bebê de bruços são eficazes. Nunca use medicamentos sem orientação médica, e a qualquer suspeita de algo fora normal consulte um pediatra.

9 – Medicamentos

Alguns recém-nascidos saem da maternidade com medicações que podem ser desde uma vitamina até drogas de uso controlado. Para qualquer uma delas, os pais devem seguir rigorosamente a orientação da freqüência de administração feita pelo pediatra. Algumas medicações que são adquiridas fora do ambiente hospitalar vem com seringa ou copo para auxiliar a administração. Neste caso, siga a orientação descrita na bula, obedecendo a ordem médica, tanto para a dosagem quanto para a freqüência.

Nunca medique seu filho sem conhecimento do seu pediatra.

10 – Banhos de sol

O bebê recém-nascido possui a pele muito delicada, que requer atenção e cuidados. Para isso, procure sempre observar a pele da criança a fim de identificar possíveis alterações por causa do sol.

Se o bebê ficar exposto ao sol por muito tempo, poderá sofrer desidratação, febre, delírio, choque e baixa pressão sanguínea. Então, se for expor seu filho ao sol procure protegê-lo e limitar o tempo. Assim você cuida de seu filho e garante sua saúde.

E não se esqueça dos horários mais recomendados para os banhos de sol. Antes das 10h e depois das 16h – lembre-se do horário de verão.

Não passe nada na pele dele até os seis meses de idade. Qualquer alteração observada na pele contate um pediatra.

Fonte: Hospital e Maternidade Santa Joana de São Paulo

sábado, 22 de novembro de 2014

Brasil pode começar vacinação contra meningite B em 2015

O Brasil deve começar em 2015 a vacinação contra a meningite do tipo B, de acordo com expectativa da presidenta da Comissão de Revisão de Calendários da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Isabella Ballalai. Ela explicou que a doença meningocócica é a causa mais comum de meningite bacteriana no Brasil, que “tradicionalmente é um campeão neste tipo de enfermidade na América Latina”, e os estados do Rio de Janeiro e de São Paulo são os que registram as maiores incidências. Dados do Ministério Saúde registram 1,54 episódio para cada grupo de 100 mil habitantes em 2013. Segundo Isabella Ballalai, até 2010 o meningococo [bactéria causadora da doença] do tipo C era responsável por 80% de meningites no país. A partir daí, com a vacinação em crianças com menos de 2 anos, determinada pelo Ministério da Saúde, os casos diminuíram, embora o vírus ainda circulasse em maiores de 4 ou 5 anos de idade, nos adolescentes e nos adultos. A médica acrescentou que para a faixa com imunidade, o vilão passou a ser o meningococo do tipo B.


sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Como a alimentação pode ajudar no enjoo?




Ser grávida não é das tarefas mais fáceis. De acordo com a American Pregnancy Association,cerca de 75% das mulheres neste período sofrem de enjoos. Sim, é um número bem alto! E isso acontece principalmente por causa das alterações hormonais que ocorrem no organismo delas, especialmente no primeiro trimestre de gestação. Mas o que muitas não sabem é que é possível usar a alimentação a seu favor no combate dessas fortes náuseas.

Conversamos com duas especialistas: a nutróloga Cristiane Coelho Ognibene, de São Paulo – a favorita das atrizes Christine Fernandes, Ticiane Pinheiro, entre outras – e a nutricionista Amélia Duarte, de Salvador, que atende artistas, políticos e atletas – como Carla Perez, Xandy, e outros. São elas que dão as seguintes dicas para as gestantes internautas:

•    Tenha uma alimentação fracionada: no mínimo seis refeições ao dia e em menor volume (ficar muitas horas em jejum é um dos fatores que aumentam o enjoo);

•    Evite líquidos durante as refeições maiores e não deite logo após comer;

•    Evite odores e temperos fortes, frituras, pastelarias, doces e preparações gordurosas, como feijoada e gratinados;

•    Evite bebida alcoólica, café e chá mate;

•    Prefira bebidas frias e ácidas. Durante o dia, beber a água com limão ou limonada sem açúcar pode ajudar a reduzir o enjoo; 

•    Prefira alimentos secos. Biscoitos salgados, como cream-cracker, biscoito de água e sal ou torradas são uma boa dica para o café da manhã; no almoço: batata cozida, arroz ou macarrão;

•    Utilize gengibre e observe se há melhora dos sintomas. Uma dica: pera cozida com gengibre ralado;

•    Pela manhã, se acordar enjoada, ainda em jejum coma dois ou três biscoitos tipo cream-cracker. Depois de um tempinho, tome o café da manhã normalmente;

•    Mastigue cristais de gengibre após as refeições;

•    Picolé de fruta ou sorvete de fruta melhora muito o enjoo.

 “Caso os sintomas persistam, converse com o seu obstetra para ver a necessidade de usar alguma medição. Somente o médico pode decidir isso”, alerta Amélia.